Mondo Interativo

Automobilismo, literatura, música, política e o que vier!

  • EDITORIAL 25/09/07

    Ron Groo pergunta: Você gosta de pombos? Veja porque o editor pede a cassação das aves. Isto mesmo 'cassação'.
  • Visão Feminina

    "Um Ser de Luz": Val Vaz depois de um longo hiato vem apresentar Clara Nunes a uma geração que não sabe o que perdeu. Para resgatar a memória e se emocionar.
  • O Grande Circo

    "E lá se vão 50 anos" Paulo Alexandre nos conta um pouco da história do início da corrida ao espaço. De Laika e Sputinik.
  • Sala Vip

    "Entradas e Bandeiras": Ron Groo dá nome e sobrenome a punição imposta a Ana Paula de Oliveira pela CBF. "É Machismo e é nojento" Alguém discorda?
  • Super Pole

    "Prodígios e precoces": Felipe Maciel observa a chegada dos novatos na F1 e levanta questões sobre o futuro
  • Miscelânia

    "A ironia da política brasileira, 15 anos após o Impeachment": observando a absolvição de Renan Calheiros, em votação secreta, surge a comparação com a cassação de Collor e a dúvida: o que desaprendemos do processo democrático?
  • Internauta

    Espaço para receber colaborações de leitores e convidados. Nesta semana: Wolverine: Prelúdio. Saiba da origem do mutante mais querido dos quadrinhos. Herói? Vilão? Leia o texto de Walter Malerba e decida você mesmo.
  • Foto de Miss Pit

    "Ralf Shumacher" Miss Pit decifra o que passa na cabeça do grande amigo do muro de Indianapolis.
  • Futeblogando

    "29ª, 30ª e 31ª rodadas do Brasileiro": Charles Nisz analisa os últimos jogos do campeonato mais importante do país.
  • Notícias

  • Calendário

    julho 2017
    D S T Q Q S S
    « out    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031  

“Miscelânea”

Presidentes

A ironia da política brasileira, 15 anos após o Impeachment 

por Bernardo Bercht

No último domingo, celebramos 15 anos do impeachment do presidente Fernando Collor de Mello por envolvimento em esquemas de corrupção promovidos por seu tesoureiro, Paulo César Farias. Um marco da História política nacional, uma vitória popular, liderada pelo movimento dos estudantes Caras Pintadas que pressionou o Congresso Nacional a votar a cassação do presidente às claras.

Em 30 de setembro de 1992, caiu o autodenominado presidente dos descamisados, mas que congelou a economia nacional, causando uma das maiores recessões da história. Não bloqueou as suas movimentações financeiras, assim como as do seu tesoureiro PC, porém. Envolvido em um esquema que movimentou milhões de dólares, no aliciamento de parlamentares e desvio de dinheiro público, Collor ficou isolado politicamente e teve seus direitos políticos cassados por oito anos, até 2000.

Itamar Franco assumiu o governo. O vice que, previamente, fora definido por Collor como “uma negativa de que há vida inteligente na Terra”. Num cenário econômico em que a inflação passava dos 1000%, o mandato de Itamar ganhou destaque pelo lançamento do Plano Real, em 1994.

Idealizado pelo economista Edmar Bacha e coordenado pelo então ministro da Fazenda Fernando Henrique Cardoso, o pacote econômico alcançou grande sucesso. Fortalecido pelo papel desempenhado, FHC foi eleito no pleito de 1994 e reeleito posteriormente. O segundo presidente eleito depois da abertura política não escapou de ter seu nome envolvido em casos de corrupção, no entanto.

Além das até hoje propagadas irregularidades na privatização da Vale do Rio Doce, que hoje teria lucro equivalente ao preço pelo qual foi vendida, ocorreram ainda as denúncias de resgate financeiro a empresas recém-privatizadas. Um aporte estipulado em quase 10 milhões de Reais dos cofres públicos.

Surgiram também especulações sobre compras de votos e trocas de favores para a aprovação da emenda constitucional que permitiu sua reeleição. Além disso, em um caso que seria posteriormente espelhado pelo filho de Luiz Inácio Lula da Silva, Pedro Henrique Cardoso foi acusado de superfaturamento num estande de comemoração dos 500 anos do Brasil, montado em Hannover (Alemanha), em 2000.

Chegamos, então, a outubro de 2002, quando o operário Lula foi aclamado pelas urnas e alçado à condição de novo salvador da pátria, como tantos antes. Passados cinco anos, a população vê que realidade voltou a se chocar no iceberg de corrupção que persegue a democracia brasileira. Apesar de, como no governo FHC, a participação de Lula não evidenciar uma associação direta com os casos de corrupção, as denúncias e CPIs (comissões parlamentares de inquérito) sucessivas voltaram a destruir a imagem da política nacional.

As denúncias que antes eram calculadas aos milhões de Reais, passaram a contabilizar as centenas de bilhões. “Toda a imagem do governo brasileiro é suja, o que me dá muita pena. O governo Lula é um desapontamento para todo o mundo. É uma surpresa as revelações de corrupção e a manipulação do dinheiro público”, chegou a declarar o cientista político americano Thomas Skidmore, em meio ao caso do Mensalão.

Observando a absolvição do presidente do Senado, Renan Calheiros, em votação secreta, surge a comparação com a cassação de Collor e a dúvida: o que desaprendemos do processo democrático nestes 15 anos? Fernando Collor, que foi eleito senador pelo Estado de Alagoas, em 2007, não compareceu à votação.

bernardobercht@terra.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: